Pular para o conteúdo principal

Céu vermelho e o final de temporada de V

A economia das temporadas das séries inglesas, em geral com apenas oito episódios, deveria ensinar algo aos americanos. A rede de TV HBO já aprendeu algo e desde que iniciou a produção de séries, o faz com economia, apresentando em geral doze episódios, no máximo, catorze por temporada.

Esta medida simples cria uma série enxuta, com tramas possíveis de serem acompanhadas e terem sentido real e não apenas jogar uma dezena de coisas para o público e ir pescando o quê funciona.

Battlestar Galactica, série do Sci-Fi Channel (hoje SyFy por que não podia registrar a marca Sci-Fi, uma palavra de uso correnta da língua inglesa) conseguiu reduzir um pouco estes problemas com a divisão em blocos de dez episódios, criando duas temporadas em uma.

V (2009), série de TV que assim como Galactica, recria uma série antiga, será certamente lembrada pelo rosto da atriz brasileira Morena Baccarin e pelos cenários digitais feios. Metade da série é filmada usando a tecnologia do fundo azul, para na pós-produção receber via computador os cenários. O resultado é perceptível e geralmente risível, especialmente nestes tempos de tanto uso da mesma tecnologia com resultados superiores.

V (2009), termina sua temporada na ABC norte-americana com doze episódios, mas com gosto de trama mal elaborada, feita nas coxas para abastecer a imaginação dos fãs de ficção científica.

A imagem mais forte é a evocação dos céus vermelhos no episódio final (Red Sky em inglês) lembrando tramas dos quadrinhos como “A trilogia de Galactus” e a clássica “Crise nas Infinitas Terras”.

Em ambas o céu vermelho significava mudanças e ameaças próximas, aqui se tem a impressão que a única real ameaça é V não conseguir manter o público no canal norte-americano após o final de Lost.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…