Pular para o conteúdo principal

Almanaque Meteoro #1

Com o perigo de cair no clichê, raramente se vê o surgimento de um novo universo.

Temos sim, visões de séries e depois percebendo que são coesas. Ou simplesmente hoje, com os setenta anos de Marvel e DC vamos lá e lemos os primeiros números, mas percebemos que não eram produzidas como um universo unificado.

Assim, ver o surgimento de um universo potencial e ainda por cima brasileiro é extremamente gratificante.

O Almanaque Meteoro é assim. Uma leitura leve, divertida e gratificante. Se há algum problema, talvez seja o tamanho da história do personagem principal, com apenas dez páginas, mas realmente não é um problema.

Meteoro é claramente inspirado no conceito do adolescente que recebe poderes, tem que aprender a controlá-los e vive entre ter que provar que é responsável para as pessoas próximas e salvar o mundo. Argumento então, de meia dúzia de personagens famosos que vão do Homem-Aranha a Nuclear (Firestorm), passando por Nova – personagem que Roberto Guedes, autor de Meteoro, tem predileção especial.

A história ainda tem um visual jovem, impactante nestes períodos em que arte inspirada por mangá vende bem, o quê também não é um defeito, e sim qualidade, pois um autor tem que estar sintonizado com tendências de mercado.

Além de Meteoro e sua origem, temos Mylar – o homem mistério, O ídolo de pedra, uma história que une Capitão 7 e Fantastic Man e uma pequena história em que une Herbie Hancock e Egberto Gismonti numa jam session, que, ótima, destoa um pouco do restante da edição mais voltado para a aventura.

Caso você se interesse em comprar entre em contato com o autor em guedesbook@gmail.com. Custa R$ 5,00 já com despesas inclusas.

Longe de apenas valorizar por ser “nacional”, podemos pensar na possibilidade real de uma criação de mercado e contato com autor, com troca de ideias e conceitas.

Parabéns ao Roberto Guedes por ter coragem de ser avant premiere e custear sua edição e que isto inspire outros.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…