Pular para o conteúdo principal

Neil Gaiman e O quê aconteceu com o Cavaleiro das Trevas?

Longe de imitar o estilo de Alan Moore na clássica história “O quê aconteceu com o homem do amanhã?”, o escritor Neil Gaiman e o desenhista Andy Kubert conseguem fazer uma história bela e atemporal, que realmente parece uma elegia.

No contexto de obra de arte é excelente; já no contexto de elegia cansa, por que já é a terceira para o personagem, possivelmente dando tempo para a DC Comics nos EUA se preparar para os eventos de a Batalha pelo Manto.

Se tiver que ler alguma, leia apenas a história do Gaiman (Batman #88 e 89, março e abril de 2.009), superior, onírica e atemporal.

Exceção feita para “Noites sem fim” (2005) e uma breve história da série Batman Preto & Branco volume este é o primeiro trabalho de Neil Gaiman para a DC Comics desde o encerramento da série Sandman. Este encerramento foi publicado no Brasil pela Editora Globo, depois colecionado em 10 álbuns pela Conrad e agora está sendo prometido em dois álbuns do formato absolute/omnibus pela Panini Comics.

Durante este período Gaiman dedicou-se à literatura, produzindo “Deuses Americanos” e “Os filhos de Anansi” (ambos publicados no Brasil pela Conrad), o protótipo de uma série de TV, que depois foi romanceado chamado “Lugar Nenhum” (Conrad, tendo sua versão em quadrinhos recém lançada pela Panini na série Vertigo) e alguns livros infatnis. Nos quadrinhos fez o projeto “1602” (também conhecido como “Marvel Knights 1602”), uma versão do Universo Marvel que estabelece a sua criação no ano de 1602.

Também esteve envolvido com o resgate dos direitos autorais de Ângela e Medieval Spawn, co-criações suas para as empresas de Todd McFarlane. Havia um acordo que McFarlane passaria os direitos que detinha de Miracleman/Marvelman para Gaiman em troca dos direitos dos dois personagens.

Isto nunca ocorreu e Gaiman processou McFarlane, num imbróglio alongado e penoso.

O processo começou na segunda metade da década de 1.990, sendo que primeiro Gaiman optou por ganhar a simpatia da indústria e depois iniciar realmente o processo. A estratégia se devia ao fato que na década de 90, McFarlane poderia investir pesado em advogados.

Hoje há um entendimento que Miracleman/Marvelman pertence, de fato, ao editor que o “criou” na Inglaterra. O termo criou está entre aspas por que é público e notório que Marvelman nada mais é que uma imitação do Capitão Marvel da Fawcett/DC Comics.

O quê se discute desde então é a possibilidade de se publicar os 25 números da série editada pela Eclipse Comics, onde trabalharam Alan Moore e Neil Gaiman, este, em início de carreira antes de Orquídea Negra e mesmo Sandman, que o tornaria famoso.

Comenta-se que a aproximação de Gaiman à Joe Quesada, editor-chefe da Marvel Comics, quando da criação do projeto “1602” seria parte de um plano para, assim que reaver os direitos publicar uma coletânea com as histórias de Miracleman já utilizando o primeiro nome do personagem “Marvelman”, licenciado nos EUA para a Marvel.

Voltando a trabalho atual em Batman, fãs de Sandman vão perceber que o pequeno arcos de duas edições é uma variação do arco Fim dos Mundos da série do Lorde Morpheus.

Leiam e comparem.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…