Pular para o conteúdo principal

De filhote para lobo

Tem personagens que nasceram para serem coadjuvantes!

Imagine o quê dizer de um personagem cuja série chama-se “Jimmy Olsen, Superman's Pal” com grifo em “Superman”?

Jimmy não pode ser levado à sério, nunca!

Sua série clássica é tão inexpressiva que se torna curiosa exatamente por causa de suas bizarrices. Também é clássico que Jack Kirby ao ser contratado pela DC disseram para para ele fazer A Saga do Quarto Mundo ele teria que assumir um título da editora.

Kirby perguntou qual série vendia menos e assumiu o título do repórter foca, que funcionou como periférico para a Saga do Quarto Mundo. Alguns destes materiais receberam nova roupagem pela DC Comics na série Legends of the DC Universe e foram inclusive lançados no Brasil pela Mythos!

Olsen não foi levado à sério por John Byrne e Marv Wolfman, que o fizeram ter uma paixão platônica por Cat Grant na época da revisão de 1.987 (O homem de aço). Os dois autores criaram tramas que faziam Olsen ser filho único e que seu pai, um soldado, havia desaparecido em ação. Meses depois a trama retomou como pano de fundo para uma revisão da Saga do DNA, um arco que Kirby havia criado quando assumiu a série.

Dan Jurgens
e equipe tentaram dar responsabilidades para Olsen. Rompeu com Lucy Lane, irmã de Lois – ela casou-se com o jornalista Ron Troupe – e esteve em evidência quando tirou uma foto famosa da morte do Superman.

Depois trabalhou para a TV, chegando a prometer revelar a identidade do Superman e esteve envolvido com os Cabeludos – personagens clássicos da fase Kirby, em nova roupagem.

A partir de 1.999 voltou a ser o coadjuvante comum, até que na revisão pré Crise Infinita (2005) do homem de aço, quis ser jornalista. Erraram o tom e John Byrne e Matthew Clark ilustravam o personagem de maneira distintas. O primeiro como um adolescentes de 13-15 anos, o segundo como um jovem profissional de 19-20 anos, chegando a namorar uma jornalista.

Depois Olsen esteve numa desnecessária exposição graças à Contagem Regressiva! Na série semanal de 52 partes ele é personagem principal!

Chegamos então à Novo Krypton, onde o repórter recebe uma edição especial de prelúdio direto da saga. Aqui com texto de James Robinson, lápis de Jesus Merino, Leno Carvalho, Steve Scott e finais de Merino, Nelson Pereira e Kevin Stokes temos mais uma tentativa de torná-lo um personagem em crescimento, sério e crível.

Em crise, Jimmy Olsen, que não é levado à sério no jornal Planeta Diário, decide pedir um afastamento para investigar a presença de um desconhecido voando quando da batalha entre Superman e Atlas.

Apesar da bobagem da facilidade em que a fonte fornece a informação necessária – a desculpa é que estava aguardando o interesse de algum repórter – a história ficar emocionante quando caí no clichê do assassino, chamado Codinome Assassino (sic!), que deseja manter a origem em segredo.

Tendo fazer um contato com a Legião Jovem do Laboratório Cadmus, com quem teve contato na fase de Kirby e em período pós 1987, descobre que os legionários originais (ele teve amizades com os clones infantis) foram assassinados!

Boa história.

Repagina o personagem, descarta uma série de bobagens recentes e prepara o terreno para Novo Krypton. Veremos o quê virá!

Veja aqui a listagem completa da série.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…