Pular para o conteúdo principal

De filhote para lobo

Tem personagens que nasceram para serem coadjuvantes!

Imagine o quê dizer de um personagem cuja série chama-se “Jimmy Olsen, Superman's Pal” com grifo em “Superman”?

Jimmy não pode ser levado à sério, nunca!

Sua série clássica é tão inexpressiva que se torna curiosa exatamente por causa de suas bizarrices. Também é clássico que Jack Kirby ao ser contratado pela DC disseram para para ele fazer A Saga do Quarto Mundo ele teria que assumir um título da editora.

Kirby perguntou qual série vendia menos e assumiu o título do repórter foca, que funcionou como periférico para a Saga do Quarto Mundo. Alguns destes materiais receberam nova roupagem pela DC Comics na série Legends of the DC Universe e foram inclusive lançados no Brasil pela Mythos!

Olsen não foi levado à sério por John Byrne e Marv Wolfman, que o fizeram ter uma paixão platônica por Cat Grant na época da revisão de 1.987 (O homem de aço). Os dois autores criaram tramas que faziam Olsen ser filho único e que seu pai, um soldado, havia desaparecido em ação. Meses depois a trama retomou como pano de fundo para uma revisão da Saga do DNA, um arco que Kirby havia criado quando assumiu a série.

Dan Jurgens
e equipe tentaram dar responsabilidades para Olsen. Rompeu com Lucy Lane, irmã de Lois – ela casou-se com o jornalista Ron Troupe – e esteve em evidência quando tirou uma foto famosa da morte do Superman.

Depois trabalhou para a TV, chegando a prometer revelar a identidade do Superman e esteve envolvido com os Cabeludos – personagens clássicos da fase Kirby, em nova roupagem.

A partir de 1.999 voltou a ser o coadjuvante comum, até que na revisão pré Crise Infinita (2005) do homem de aço, quis ser jornalista. Erraram o tom e John Byrne e Matthew Clark ilustravam o personagem de maneira distintas. O primeiro como um adolescentes de 13-15 anos, o segundo como um jovem profissional de 19-20 anos, chegando a namorar uma jornalista.

Depois Olsen esteve numa desnecessária exposição graças à Contagem Regressiva! Na série semanal de 52 partes ele é personagem principal!

Chegamos então à Novo Krypton, onde o repórter recebe uma edição especial de prelúdio direto da saga. Aqui com texto de James Robinson, lápis de Jesus Merino, Leno Carvalho, Steve Scott e finais de Merino, Nelson Pereira e Kevin Stokes temos mais uma tentativa de torná-lo um personagem em crescimento, sério e crível.

Em crise, Jimmy Olsen, que não é levado à sério no jornal Planeta Diário, decide pedir um afastamento para investigar a presença de um desconhecido voando quando da batalha entre Superman e Atlas.

Apesar da bobagem da facilidade em que a fonte fornece a informação necessária – a desculpa é que estava aguardando o interesse de algum repórter – a história ficar emocionante quando caí no clichê do assassino, chamado Codinome Assassino (sic!), que deseja manter a origem em segredo.

Tendo fazer um contato com a Legião Jovem do Laboratório Cadmus, com quem teve contato na fase de Kirby e em período pós 1987, descobre que os legionários originais (ele teve amizades com os clones infantis) foram assassinados!

Boa história.

Repagina o personagem, descarta uma série de bobagens recentes e prepara o terreno para Novo Krypton. Veremos o quê virá!

Veja aqui a listagem completa da série.

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

A Saga do Quarto Mundo: Novos Deuses, volume 1 e 2

Ponto central a Saga do Quarto Mundo em New Gods (Novos Deuses em português) temos as aventuras de Orion sozinho ou auxiliado por Magtron e humanos. A parceria entre um deus e humanos seria evocada novamente em Os Eternos (1.976-78) do mesmo Jack Kirby. Em ambas as séries, após a parceria inicial os humanos seriam abandonados.

Aqui a macro-trama é que na Terra o deus maligno Darkseid tem pistas de uma fórmula chamada equação anti-vida ao qual deseja com objetivos próprios. Orion, filho de Darkseid mas criado pelo benigno Pai Celestial, é o nêmese de seu pai e está destinado a matá-lo.

Além de New Gods a Saga do Quarto Mundo foi publicada nos primeiros volumes das séries Mr Miracle (Senhor Milagre), Forever People (Povo da Eternidade) e Superman Pal's Jimmy Olsen (a única que não foi criação original de Kirby).

Originalmente New Gods foi publicada em série bimestral com onze números (março de 1972- novembro de 1972).

Em 1984 a DC Comics re-editou a série original em The New Gods,…