Pular para o conteúdo principal

Star Wars: Marcas da Guerra [Aleph, 2015]

Marcas da Guerra o primeiro livro da trilogia Aftermath tem todos os defeitos e muitas das qualidades da série cinematográfica. Reúne personagens improváveis e pede, melhor, implora, para que você se importe com eles.

Aqui Norra Wexley retorna para casa, o planeta na orla exterior Akiva, depois de ter servido na Aliança Rebelde, agora Nova República. Rebelde na adolescência se filiou à organização assim que seu marido foi preso pelo Império. Sua esperança era reencontrá-lo, algo que não se concretizou. Agora quer reencontrar o filho que abandonou em nome desta aventura, juntar os frangalhos da família e sair do planeta o mais rápido possível.

Mas eis que Akiva foi escolhido pelos escombros do Império para sediar uma reunião que determinará o estado atual do Império após a derrocada da segunda Estrela da Morte. Então repentinamente Norra está envolvida com o resgatar de um dos principais pilotos da Nova República, assim como também com a tentativa de assassinato de um dos líderes militares do Império, ao mesmo tempo em que tem que resgatar a confiança de seu filho Temmin.

Nestes tempos de Esquadrão Suicida – e que fique bem claro, eu conheci o Esquadrão em 1.989 quando da publicação de Lendas no Brasil – fica aquele ranço na boca resultante da reunião de tão improváveis personagens: Norra, Temmin agora um contrabandista, Wedge Antilles um sobrevivente da trilogia cinematográfica constantemente explorado no universo estendido; Jas Emari uma zabrak mercenária; Sinjir Rath Velus um ex-agente de lealdade imperial, além de uma boa personagem pelo lado do Imperério a almirante Rae Sloane, que tem a difícil missão que conseguir algo efetivo tendo que trabalhar com mão de obra muito desqualificada e inexperiente. O difícil é que para a história realmente funcionar você tem que se importar com eles. Caso contrário é apenas um desfile de personagens improváveis.

Um dos problemas é que há muitas cenas que começam sem uma apresentação adequada dos personagens, isto sem contar com duas ou três sequências que aparentemente não colaboram com o contexto geral do livro, mesmo que uma traga um personagem querido.

É, certamente, um livro que ganhará com o formato trilogia, pois no primeiro volume não conhecemos ninguém, mas ao final estamos procurando um fim adequado para todos os personagens.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…