Pular para o conteúdo principal

Chegou Liga da Justiça #01


Na última semana chegou às bancas do Brasil os primeiros quatro títulos da famigerada reformulação da DC Comics, conhecida pelos fãs como Os Novos 52. Os quatro títulos sãos Superman, Batman, Liga da Justiça e Lanterna Verde.

A lógica dos mixes nacionais parece concluir que bastar alocar um medalhão, um título neutro e um título ruim para compor as edições da Panini. Isso se agrava bastante com a série da Liga da Justiça que reúne além da série título, as séries do Capitão Átomo e Liga da JustiçaInternacional.

A lógica do rebute (reboot, se preferir) é uma reconstrução por soma de partes boas. A série do Capitão Átomo apresenta o personagem do zero, já a da Liga da Justiça Internacional explora uma ideia de Liga da Justiça que seja mantida para ONU, semelhante em termos ao conceito apresentado na fase de Keith Giffen & JM DeMatteis – a famosa fase cômica, que começou bem séria. A história não funciona nem na arte, nem no texto.

A história da Liga exige uma análise mais detalhada. Um Batman fugindo das autoridades é um Lanterna Verde cômico é um resultado direto dos filmes dos personagens. Mas a trama começa de um ponto qualquer com Batman sendo perseguido pelas autoridades e por sua vez perseguindo um parademônio. Não há explicações maiores, e talvez seja o maior erro da edição nacional. Não há um texto explicando que houve um rebute e – no mínimo! - que os personagens serão novamente apresentados aos leitores.

Não é uma edição cara. No quesito arte, Jim Lee está bem, porém com um traço apressado. Freddie Williams (Capitão Átomo) tem um arte belo, que funciona bem na parceria com o colorista José Villarubia. Já a dupla Aaron Lopresti & Matt Ryan, legado de Liga da Justiça: Geração Perdida, não tem muito a acrescentar aos anais dos quadrinhos. No quesito texto JT Krull (Capitão Átomo) ganha fácil do texto também apressado e sem respostas adequadas de Geof Johns (Liga da Justiça). Já o texto de Dan Jurgens é neutro, o quê pode prejudicar o mix nacional sem muitos atrativos além da arte de Jim Lee.

Vale lembrar que herói impopulares enfrentando uma invasão alienígena é um bom roteiro para um filme para apresentar a equipe. Tanto que já foi feito no cinema pelos Vingadores!

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…