Pular para o conteúdo principal

SCHRECK: onde The Walking Dead encontra Kripta

Kripta foi uma série de terror publicada no Brasil pela RGE entre 1976-1981 que traduzia material da Warren Publishing.

Alguns personagens eram recorrentes como Derek SCHRECK que teve uma pequena série de três aventuras, cujas aventuras transcorriam em um mundo onde houve uma guerra nuclear entre EUA e China que resultou na destruição da lua.

O efeito disso foi “A doença lunar”, título da aventura publicada em Kripta #01 (julho/1976) com texto de Doug Moench e arte de Vicente Alcazar.

A referida doença deixava os humanos (e posteriormente os animais) loucos, violentos e canibais perseguindo, mutilando, matando e até mesmo se alimentando das suas vítimas, algo muito parecido com o padrão atual de zumbi, inspirado na obra cinematográfica de George Romero.

Não por coincidência as origens da Warren Publishings estão na adaptação de filmes de terror para o formato magazine de como a vencer o Comics Code.

Numa série como Kripta, com tantas criaturas místicas o zumbi tinha duas versões distintas. Um era o ser quase morto da série Spectro, outro era o louco pelo resultado da destruição do satélite terrestre da série Schreck, uma doença física e de possível cura apesar de todo um sub-texto pseudo religioso.

Sem uma das mãos e enfrentando “zumbis” criados pelo terror atômico que não contaminavam as pessoas pelo contágio, leitores mais antigos podem encontrar parte da fuga constante de Schreck em The Walking Dead, além de um sentimento de que o mundo estava completamente destruído e que logo os protagonistas sucumbiriam ante às forças antagonistas. Na obra de Robert Kirkman todos sabem que um dia Rick Grimmes irá sucumbir por completo, mas o quando ainda é motivo para especulação. Com a 100ª edição prometida para junho nos EUA e a terceira temporada da série de TV já contratada é fácil supor que a série tenha no mínimo mais uns 36 meses de sobrevivida.

Por sinal, atualmente eu sou o único que persegue o fim da série The Walking Dead, pois apesar de a série ainda não ter perdido o pique, já torna-se evidente as limitações narrativas da trama.

Não me surpreenderia se um dia Kirkman anuncia-se que uma de suas inspirações foi a obra de Moench, afinal o pop há de comer a si mesmo. Ao menos Moench foi mais sucinto em sua narrativa.

Schreck retornou no ano seguinte em Almanaque da Kripta #01 (junho/1977), onde é narrado o prequel da primeira aventura inicial pelo mesmo Moench mas com Neal Adams na arte-final. Talvez um erro dos editores nacionais tenha publicado as duas partes finais antes do início, ou talvez fosse mesmo um prelúdio para a história em função de boa recepção do público.

De qualquer modo são edições imperdíveis!






Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…