Pular para o conteúdo principal

Os mortos-vivos vol 1 Dias Passados

Os mortos-vivos volume 1: Dias Passados reúne as edições #1-6 da série The Walking Dead de Robert Kirkman (texto) e Tony Moore (arte). Foi lançado no Brasil em maio de 2.006 numa edição como capa de cartão com orelha, papel couché resistente e tons de cinza (como no original) pela HqManiacs Editora.

De lá para cá a editora já lançou mais seis encadernados, apesar de ser feito algumas promessas quando do lançamento da série televisiva em outubro de 2.010, que não se concretizaram.

[A trama]
O policial Rick Grimmes é ferido em ação e acorda semanas depois num mundo consumido por uma praga zumbificante.

Sua esposa, Lori, e filho, Carl, acreditando em sua morte o abandonaram e rumam junto com Shane para um centro protegido do Governo Americano.

Shane é parceiro de longa data de Rick e se adaptou rapidamente a um mundo onde impera a lei do mais forte. Invejando a vida do parceiro, Shane, tem um breve romance com Lori, que fica em risco quando Rick retorna e encontra o grupo, que além de sua família é composto por Glenn (um rapaz de ascendência oriental, responsável por invasão de áreas com zumbis para garantir alimentos), o casal Allen & Donna (e os filhos Billy & Ben), Jim, o velho Dale (que na série em quadrinhos também teme o temperamento de Shane e tenta avisar a Rick), Carol e sua filha Sophia e as irmãs Amy e Andrea.

Com o mundo alterado quais serão os novos valores e será que as amizades de antes terão espaço?

[Crítica]
A graphic novel envelheceu bem. Não a relia desde 2.006, mas mesmo com o conhecimento dos desdobramentos das próximas noventa edições ainda é divertido e interessante ler o início da série. Nem mesmo ter assistido a série de TV, que adapta livremente estas seis primeiras edições encadernadas aqui na primeira temporada, diminui o interesse. Claro que há uma fundamentável diferença que não irei explicitar.

O mundo acabou, não há telecomunicações e a sociedade talvez não exista. A série em quadrinhos não é de terror, assim como não o é a série de TV. É uma série de drama num mundo dominado por uma praga zumbificante. Talvez você sinta medo, mas o objetivo da série é mostrar a miséria humana e aquilo que o ser humano está disposto a fazer para continuar a viver.

O desenho de Tony Moore é bonito e casa bem com os tons de cinza necessários para criar o clima de desolação e apocalipse, sabendo explorar bem a posição geográfica dos personagens, próximos à estradas desoladas, árvores de pinheiros e cidades em processo de deterioração.

Um detalhe: para vender a ideia para a Image Comics, Kirkman os convenceu que a praga foi iniciada por alienígenas e que ao longo da série iria deixar pistas! Não se preocupe, não há nenhuma menção a isto nos volumes e foi apenas uma “conversa para boi dormir” para conseguir publicar a série. É fica a dica para os roteiristas iniciantes sobre concessões que temos que fazer para viabilizar a publicação de nossa obra.

Uma graphic novel imperdível que ainda continua no catálogo da editora. Não perca a chance de adquirir.


[Volumes de Os mortos-vivos]

Vol.
Lançamento
Edições #
Título
01
05/2006
#1-6
02
11/2006
#7-12
03
04/2008
#13-18
Segurança atrás das grades
04
10/2009
#19-24
Desejos carnais
05
07/2011
#25-30
A melhor defesa
06
10/2011
#31-36
Vida de agonia
07
12/2011
#37-42
Momentos de calmaria
08
03/2012
#43-48
Nascido para sofrer

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…