Pular para o conteúdo principal

Os mortos-vivos vol 1 Dias Passados

Os mortos-vivos volume 1: Dias Passados reúne as edições #1-6 da série The Walking Dead de Robert Kirkman (texto) e Tony Moore (arte). Foi lançado no Brasil em maio de 2.006 numa edição como capa de cartão com orelha, papel couché resistente e tons de cinza (como no original) pela HqManiacs Editora.

De lá para cá a editora já lançou mais seis encadernados, apesar de ser feito algumas promessas quando do lançamento da série televisiva em outubro de 2.010, que não se concretizaram.

[A trama]
O policial Rick Grimmes é ferido em ação e acorda semanas depois num mundo consumido por uma praga zumbificante.

Sua esposa, Lori, e filho, Carl, acreditando em sua morte o abandonaram e rumam junto com Shane para um centro protegido do Governo Americano.

Shane é parceiro de longa data de Rick e se adaptou rapidamente a um mundo onde impera a lei do mais forte. Invejando a vida do parceiro, Shane, tem um breve romance com Lori, que fica em risco quando Rick retorna e encontra o grupo, que além de sua família é composto por Glenn (um rapaz de ascendência oriental, responsável por invasão de áreas com zumbis para garantir alimentos), o casal Allen & Donna (e os filhos Billy & Ben), Jim, o velho Dale (que na série em quadrinhos também teme o temperamento de Shane e tenta avisar a Rick), Carol e sua filha Sophia e as irmãs Amy e Andrea.

Com o mundo alterado quais serão os novos valores e será que as amizades de antes terão espaço?

[Crítica]
A graphic novel envelheceu bem. Não a relia desde 2.006, mas mesmo com o conhecimento dos desdobramentos das próximas noventa edições ainda é divertido e interessante ler o início da série. Nem mesmo ter assistido a série de TV, que adapta livremente estas seis primeiras edições encadernadas aqui na primeira temporada, diminui o interesse. Claro que há uma fundamentável diferença que não irei explicitar.

O mundo acabou, não há telecomunicações e a sociedade talvez não exista. A série em quadrinhos não é de terror, assim como não o é a série de TV. É uma série de drama num mundo dominado por uma praga zumbificante. Talvez você sinta medo, mas o objetivo da série é mostrar a miséria humana e aquilo que o ser humano está disposto a fazer para continuar a viver.

O desenho de Tony Moore é bonito e casa bem com os tons de cinza necessários para criar o clima de desolação e apocalipse, sabendo explorar bem a posição geográfica dos personagens, próximos à estradas desoladas, árvores de pinheiros e cidades em processo de deterioração.

Um detalhe: para vender a ideia para a Image Comics, Kirkman os convenceu que a praga foi iniciada por alienígenas e que ao longo da série iria deixar pistas! Não se preocupe, não há nenhuma menção a isto nos volumes e foi apenas uma “conversa para boi dormir” para conseguir publicar a série. É fica a dica para os roteiristas iniciantes sobre concessões que temos que fazer para viabilizar a publicação de nossa obra.

Uma graphic novel imperdível que ainda continua no catálogo da editora. Não perca a chance de adquirir.


[Volumes de Os mortos-vivos]

Vol.
Lançamento
Edições #
Título
01
05/2006
#1-6
02
11/2006
#7-12
03
04/2008
#13-18
Segurança atrás das grades
04
10/2009
#19-24
Desejos carnais
05
07/2011
#25-30
A melhor defesa
06
10/2011
#31-36
Vida de agonia
07
12/2011
#37-42
Momentos de calmaria
08
03/2012
#43-48
Nascido para sofrer

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

Árvore genealógica do Superman

Em Krypton Chronicles, uma série que contava a história dos ancestrais de Kal-El a DC publicou a árvore genealógica abaixo.

Divirta-se!