Pular para o conteúdo principal

Traição

Quando Frank Miller lançou DK2 achei que os leitores só foram enganados no primeiro número. A partir do segundo e especialmente no terceiro sabiam o quê esperar!

É o mesmo com Invasão Secreta, a mega-super-hiper-saga-arrasa-quarteirão da Marvel Comics.

O sétimo número chegou às bancas e fica-se com uma impressão de que nada está acontecendo, que está havendo um sub-aproveitamento das páginas.

Nas 22 desta edição há uma batalha e dois ou três sub-plots, a Rainha Skrull morre – ou somos levados a pensar que morreu – e para dar dramaticidade o Aranha faz um comentário sobre a presença do Vigia Uatu, dizendo que uma confusão só é realmente grande quando ele aparece. Em seguida lá está o Vigia!

Bobagem pura, Invasão Secreta nada mais é do quê um contra-ataque extendido ao máximo. Os Skrulls enfrentam Vingadores e suas variações como vingança de coisas que aconteceram quando nós estávamos no berçário!

Se Brian M. Bendis gastou anos forjando a saga, perdeu muito ao fazer uma história que poderia funcionar perfeitamente em quatro partes – talvez até três de trinta páginas – e não amplia os horizontes.

No final fica patente que o tamanho de Invasão Secreta é apenas para fazer concorrência direta com Crise Final, melhor estruturada, mais interessante mas igualmente enganosa.

A arte não ajuda. Leinil Francis Yu não tem uma boa narrativa e às vezes tudo parece mesmo uma amontoado de alienígenas trocando sopapos em páginas de quadros únicos.

Nesta altura do campeonato a grande curiosidade é saber como vão terminar toda a confusão em apenas um número!

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…