Pular para o conteúdo principal

Muitas páginas, pouca história!

Esta semana tivemos o lançamento de Invasão Secreta # 06 (de 08) e Trindade # 02 (de 13), duas histórias de apesar de feitas por equipes competentes não conseguem impedir um gravíssimo problema dos quadrinhos atuais: levam a exaustão o conceito de compasso de espera dos quadrinhos e não desenvolvem a trama, amarrando-a.

Em Trindade, a terceira série semanal da DC Comics seguida, Superman, Batman e Mulher Maravilha gastam três números para derrotar um alienígena descontrolado, o Kondenado.






Caído o vilão (não o de verdade da extensa trama, é claro) a coisa não se desenvolve. Com muitas páginas, Busiek gasta-as fazendo um lento background para a trama.

Já as tramas secundárias de Trindade parecem a série "The Brave and The Bold", capaz de ressuscitar o Predador (Gangbuster), uni-lo a Gavião Negro ou mesmo unir o Lanterna Verde John Stewart e o Nuclear.
Já em Invasão Secreta, Brian Michael Bendis não consegue acertar o passo da série que não convence o excesso de partes! Essencialmente muito pouco aconteceu na série e ainda assim nada realmente acontece.

Aqui os Skrulls enfrentam os heróis, alguns humanos defendem a anexão ao Império sem saber a verdadeira natureza dos alienígenas, as duas metades dos Vingadores parece ter feito as pazes e finalmente se unem à Nick Fury, Thunderbolts, Thor, Guerreiros Secretos e Jovens Vingadores, iniciando um combate em duas páginas duplas em sequência!

Haja paciência para tanta espera. Mas já dizia minha mãe, profunda pensadora: "Papel aceita tudo! Até merda!"

As duas séries não cumprem seu papel de entreter totalmente com as partes, mas somente com a soma do todo. Os editores parecem ter em vista que uma trama de 100 páginas deve ser narrada em 600 ou 1.000!

Haja paciência!

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…