Superman Action Comics: Warworld Rising (2022)

Não é surpresa que os autores atuais dos quadrinhos não estejam criando personagens e histórias novas. O motivo é claro: estes autores estão guardando para si estas histórias e pretendem ganhar dinheiro com eles, seja no mercado de quadrinhos, seja na adaptação para outras mídias. Às grandes editoras resta o mesmo de sempre, às vezes com um molho diferente.

A primeira história que li do Phillp Kennedy Johnson foi “The last god” que gostei bastante. Era uma história feita para jogadores de RPG que narra uma trama de um rei corrupto e sua grande corrupção. Há até módulo para jogar em RPG. Quando soube que ele escreveria o Superman achei que não seria o autor perfeito, mas “A ascensão do Mundo Bélico” prova que estava errado, ainda que seja uma releitura de uma história antiga, neste caso específico contada de forma menos hábil da primeira vez.

Publicado originalmente em Action Comics 1030-1035 a trama apresenta um Superman com decréscimo de poder e que resgata sobreviventes de uma suposta fuga do Mundo Bélico, um mundo artificial (ou não) onde Mongul e seus descendentes mantêm um sempiterna Arena. A nave que cai no oceano, tem um gerador de força que cria uma tensão política entre Atlântida, EUA, forças comandadas por Amanda Waller e o Superman. O gerador é resgatado por Atlântida mas os EUA desejam para si e o homem de aço prefere que esteja em um território neutro, nas suas mãos. Parte do arco é sobre isto e o conflito com kaijus criados por esta fonte de força.

Os fugitivos sobreviventes são levados para a Fortaleza da Solidão e uma moça se recupera, apesar de manter seus braços acorrentados com uma corrente específica – ao longo da história descobrimentos que tem relação com suas lutas na arena. Há sobreviventes dos captores, que fogem de Atlântida e lembram a moça de sua missão: matar os familiares do Superman para direcioná-lo para um ataque ao Mundo Bélico.

Superman pede ajuda da Liga para fazer frente a um mundo que vive da exploração de escravos, mas lhe é negada. Ele decide se reunir com uma versão do “Authority” bem semelhante à apresentada na série escrita pelo Grant Morrison (Superman & The Authority) e parte para libertar ou vingar o povo da fugitiva que aparentemente é uma “tribo” kryptoniana!

Escrito por Phillip Kennedy Johnson, arte de Daniel Semepere (e vários) e cores Adriano Lucas, o arco é bem contado e abre grandes possibilidades narrativas para os personagens, conseguindo mudar o ritmo e partir para uma narrativa centrada naquilo que move os personagens: os seus valores!

Um grande ponto de partida!


 

Tecnologia do Blogger.