Pular para o conteúdo principal

Antes de Watchmen: Nada!

Quando houve o relativo sucesso do filme Watchmen, a produtora deixou vazar que a película teria sequência (!?!) e a ideia tornou-se um prequel. A sugestão não vingou, mas atingiu as hqs e surgiu Antes de Watchmen, um produto típico da indústria de quadrinhos atual, pois tenta explorar uma ideia bem construída até a última gota e oferece aos leitores algo que só poderia ser classificado como “universo extendido”.

Supostamente a DC haveria procurado Alan Moore e pedido bençãos e ele negou! Moore tem boas razões para negar! Originalmente os direitos autorais de Watchmen deveriam pertencer aos autores depois da conclusão da obra, mas o contrato foi vago e diz que a transferência deveria ocorrer quando a editora não imprimisse mais a obra. Não previa um mercado que praticamente não existia em 1986, os dos encadernados. Moore foi traído e se afastou da empresa, trabalhando rapidamente apenas quando a Wildstorm foi comprada pela DC em 1.998 e o selo America Best Comics, povoado por criações suas, foi incorporado à editora. Das criações deste período na ABC Moore só reteve “A Liga Extraordinária” que mantêm em produção.

Diante da negativa sobre uma extensão do material original, a editora encontrou uma série de pessoas que estavam dispostas a trabalhar no projeto e alguns comentaram que as condições eram financeiramente boas. Devem ser, Watchmen está sendo reimpressa a 25 anos e tem mais de um milhão de edições em formato de capa dura vendidas, sem contar as edições em outros formatos. É uma máquina de fazer dinheiro e mesmo se somente 1/5 das pessoas comprar as séries, as coletâneas e os futuros Absolute ou Omnibus de Antes de Watchmen, será um produto que alcançará facilmente a metade do milhão de cópias. Neste mês em que escrevo estas linhas encadernados “Deluxe” que reúnem duas séries em cada volume, estão no TOP 10 dos mais vendidos dos encadernados americanos da distribuidora Diamond, o que é bom que se diga, refere-se apenas às vendas da Diamond e não as vendas via sites.

Mas eu, Jamerson, não comprarei!

Às vezes brinco que mesmo alguns encadernados de gosto duvidoso eu compraria se encontrasse a R$ 1,00-2,00 – e acredite-me é possível encontrar. Talvez algo que eu acreditava ruim se provasse mais palatável depois da leitura. Já comprei muito encadernado da Mythos e da Panini na faixa de R$ 4,00 a R$ 7,00 de material que não vale o nanquim, mas o custo/benefício influenciou. Já comprei muito mangá ao preço de R$ 1,00-1,50, muitos em nível de teste.

Mas Antes de Watchmen não entrará nesta lista. Se todos podem dizer “Não li e não lerei!”, chegou agora a minha vez: Não li e não lerei.

Antes de Watchmen: Nada!

---
Ao me referir a “universo extendido” quero me referir às obras em formato de games, livros e séries de TV que exploram e ampliam o conceito inicial de uma obra e tornam-se parte do cânone. Um exemplo é “Star Wars”, série de cinema, atualmente com seis filmes, mas que possui um imenso universo extendido.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…