Darwinia (1998), Robert Charles Wilson

Comecei a trabalhar com computadores no distante ano de 1989, ainda que diariamente só a partir de 1992. Reforço então que desde 1992 até hoje (início de abril de 2022) todos os dias de minha vida eu estou mexendo em sistemas operacionais e programas cujo foco é “a facilidade de uso do usuário final” - há muita ironia nesta frase. Mas as mídias em que gravamos as informações nunca foram as mais confiáveis. Não raro o HD (ou winchester, para os muito velhos) ou o disquete de 5 ¼ ou 3 ½ polegadas dava erro e havia uma perda de dados.

O mantra pessoal “Faça backup!” começou aí.

Já houve alguns erros onde usei ferramentas de recuperação e recebi de volta um arquivo truncado, faltando partes e com partes coladas em lugares distintos.

Imagino que esta tenha sido a inspiração para “Darwinia” e se não foi esta é a impressão que fica.

Em 1912 ocorre “o milagre” onde o continente europeu é substituído por uma versão anterior de si – e o autor foge do óbvio “terra dos dinossauros”, indo bem mais longe. Isto muda o mundo (claro!) e a Europa, agora “Darwinia” se torna uma terra a ser desbravada com fauna e flora levemente distintas, sendo especial as cobras com pelos, indicando que poderia aquela área ter seguido um processo evolucionário distinto; enquanto na América há a ascensão dos conservadores que creem que o ocorrido é um ato divino.

Dividido em quatro momentos que se passam ao longo deste século XX alterado (o subtítulo na capa é "A novel of a very differente 20th century", somos impactados na verdade, pelo primeiro ato que se passa durante uma expedição ao novo continente e as relações familiares de Guilford Law que não se tornará o personagem narrador, mas aquele que será mais importante na trama. Há também nesta primeira parte uma invasão à Londres promovido por americanos. Depois os sobreviventes são assombrados pelos “fantasmas” de suas decisões. Mas o autor entrega rápido a trama e explica tudo com 40% do livro. A partir daí fica perigosamente tedioso e melhorando em alguns momentos em que há saltos temporais. Só não convence definitivamente.

Poderia ser um excelente plot para uma minissérie de TV, mas como literatura parece-me uma boa ideia mal aproveitada com um foco errado.Especialmente quando descobrimos que muito disto se trata de uma cópia de segurança feita com erro.

Tecnologia do Blogger.