Pular para o conteúdo principal

The New 52: I, vampire


No meio de todo o fenômeno de marketing do relaunched da DC Comics, chamado The New 52, não há muito espaço nas edições #01 para longas estratégias. Os personagens são apresentados ou reapresentados, surge um inimigo e a edição termina com a promessa do conflito no segundo número.

É uma peça comum quando o autor tem pressa para terminar a história ou está sem criatividade. Ganha assim mais trinta dias para colocar as ideias no papel de forma detalhada e dependendo do bobagem da primeira edição pode trabalhar e corrigir.

I, vampire não é assim. Realmente usa um clichê atual pois explora a tendência atual da literatura de vampiro e guerra contras os homens num universo povoados por super-seres e alienígenas, mas o faz com qualidade especialmente se lembramos que os nomes de Joshua Hale Fialkov (texto) e Andrea Sorrentino (arte) ainda não são sinônimos de nada. Mas devemos lembrar que, no geral, a ideia principal é uma releitura da série original publicada no início dos anos 1.980, criando assim o ciclo que “ideias que são tiradas de ideias que foram tiradas de algum lugar”, tornando impossível dizer quem copiou o quê de quem.

A história reapresenta Andrew Bennett e sua amada Mary, a quem ele transformou em vampira há 400 anos, de modo a ter uma companhia e agora ela não participa das ideias de viver em paz com os humanos, a quem classifica como “gado”.

Ela decidiu iniciar uma guerra contra o gado.

Lembra realmente a Vertigo quando os personagens DC sob o selo não viviam em uma outra dimensão, mas apenas nas bordas do universo tradicional e podiam citar ou ter participação dos medalhões.

Recomendação máxima.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…